artigo da semana

-REENCARNAÇÃO NOS UNIVERSOS PARALELOS?!-

Por Ivan Franzolim

Uma colaboração de Estênio Negreiros (estenio.gomesnegreiros57@gmail.com)

 

 

A "teoria dos universos paralelos" ou "multiverso" foi criada a partir das ideias contidas na “Teoria da Relatividade” de Einstein. Vários cientistas trabalharam em seu desenvolvimento. O físico Stephen Hawking trabalhou os últimos 20 anos de sua vida nessa teoria e apresentou um trabalho sobre ela pouco antes de falecer, endossando sua existência.

 

O conceito de multiverso tem diferentes entendimentos, mas todos eles encontram oposição no mundo científico e aguardam comprovação. Enquanto isso, podemos fazer um exercício de juntar esse conceito com a reencarnação. Vamos fazer um exercício em duas variantes.

 

A primeira entende que outros universos existiriam em outras dimensões espaço-tempo com possibilidade de vida igual a da Terra. Uma possível viagem do homem para outro universo se daria através de “buracos negros” ou “buracos de minhoca”, permitindo percorrer distâncias imensas mais rapidamente, afetando a linha do tempo como a conhecemos. O mesmo período de tempo passado na viagem ou mesmo em um universo paralelo teria um tempo menor do que o vivido na Terra.

 

O espírito poderia encarnar em outros mundos com a vantagem de poder fazer isso numa relação de tempo diferente. Uma encarnação que duraria 70 anos na Terra, poderia levar (na nossa concepção de tempo) apenas sete anos, por exemplo.

 

A segunda variante levanta a tese da existência de universos paralelos com possibilidade de viverem simultaneamente os mesmos seres humanos da Terra experimentando a vida a partir de outras decisões do seu livre arbítrio. Isso baseado em nova interpretação do “colapso da função de onda” desenvolvida pelo físico Hugh Everett na década de 1950 e extrapolando para vidas humanas, embora contestado por muitos cientistas.

 

Extrapolando para o Espiritismo, o espírito poderia encarnar simultaneamente (pelo nosso referencial de tempo) em vários universos e testar em cada um deles diferentes decisões do seu livre arbítrio. Sendo possível seria um imenso aprendizado!

 

Essas novas possibilidades de encarnar dariam oportunidades mais igualitárias a todos os espíritos, o que hoje parecem não existir. Temos quase oito bilhões de habitantes e, segundo Emmanuel no livro Roteiro, de 1952, pelo menos “mais de 20 bilhões de almas conscientes desencarnadas”, mantendo-se sem crescimento a mesma quantidade dessa década que representava 8 desencarnados para cada espírito encarnado.

 

Cálculos aproximados das populações ao longo da História pelo Population Reference Bureau, chegaram a 107 bilhões de pessoas que já viveram na Terra desde 8.000 a.C. Dividindo esse número pelo total de espíritos estimados 28 bilhões (8 bilhões de encarnados + 20 bilhões de desencarnados), chegamos a uma média de 3,8 encarnações para cada espírito! Muito pouco! Insuficiente para justificar nossa evolução!

 

Para comparar podemos estimar quantas encarnações um espírito poderia ter nos últimos 10 mil anos. No início as encarnações duravam 30 anos, expectativa de vida que foi se ampliando gradativamente. Considerando em média uma encarnação para cada 100 anos, incluindo o tempo na Erraticidade, nesse período, um espírito que tivesse sempre a possibilidade de encarnar poderia ter tido 100 vidas na Terra.

 

Encarnar em outros planetas implicaria em mudança do fluido cósmico que afetaria a constituição do perispírito, o que, em tese, não aconteceria no multiverso, pois, haveria outras Terras com as mesmas características deste fluido.

 

Outro ponto a considerar são os relacionamentos. Afinal, encarnamos também para melhorar nossas relações pessoais e compromissos morais. Aconteceria da mesma forma que na Terra, quando é feita uma seleção de alguns espíritos para encarnação conjunta, de um conjunto muito maior chamado de “família espiritual”, que poderia ceder mais espíritos para encarnação em outros mundos.

 

Confirmadas ou não essas teses, o fato é que conhecemos tão pouco do nosso universo e mesmo esse pouco parece ter infinitas possibilidades!

 

Publicado na página http://franzolim.blogspot.com em 24/3/2019.